sexta-feira, 2 de março de 2018

A indústria farmacêutica? “Vai bem, obrigado!”


Aos 30 anos, você tem uma depressãozinha, uma tristeza meio persistente: prescreve-se FLUOXETINA.

A Fluoxetina dificulta seu sono. Então, prescreve-se CLONAZEPAM, o Rivotril da vida. O Clonazepam o deixa meio bobo ao acordar e reduz sua memória. Volta ao doutor.


Ele nota que você aumentou de peso. Aí, prescreve SIBUTRAMINA.

A Sibutramina o faz perder uns quilinhos, mas lhe dá uma taquicardia incômoda. Novo retorno ao doutor. Além da taquicardia, ele nota que você, além da “batedeira” no coração, também está com a pressão alta. Então, prescreve-lhe LOSARTANA e ATENOLOL, este último para reduzir sua taquicardia.

Você já está com 35 anos e toma: Fluoxetina, Clonazepam, Sibutramina, Losartana e Atenolol. E, aparentemente adequado, um “polivitamínicos” é prescrito. Como o doutor não entende nada de vitaminas e minerais, manda que você compre um “Polivitamínico de A a Z” da vida, que pra muito pouca coisa serve. Mas, na mídia, Luciano Huck disse que esse é ótimo. Você acreditou, e comprou. Lamento!

Já se vão R$ 350,00 por mês. Pode pesar no orçamento. O dinheiro a ser gasto em investimentos e lazer, escorre para o ralo da indústria farmacêutica. Você começa a ficar nervoso, preocupado e ansioso (apesar da Fluoxetina e do Clonazepam), pois as contas não batem no fim do mês. Começa a sentir dor de estômago e azia. Seu intestino fica “preso”. Vai a outro doutor. Prescrição: OMEPRAZOL + DOMPERIDONA + LAXANTE “NATURAL”.

Os sintomas somem, mas só os sintomas, apesar da “escangalhação” que virou sua flora intestinal. Outras queixas aparecem. Dentre elas, uma é particularmente perturbadora: aos 37 anos, apenas, você não tem mais potência sexual. Além de estar “brochando” com frequência, tem pouquíssimo esperma e a libido está embaixo dos pés.

Para o doutor da medicina da doença, isso não é problema. Até manda você escolher o remédio: SILDANAFIL, TADALAFIL, LODENAFIL ou VARDENAFIL, escolha por pim-pam-pum. Sua potência melhora, mas, como consequência, esses remédios dão uma tremenda dor de cabeça, palpitação, vermelhidão e coriza. Não há problema, o doutor aumenta a dose do ATENOLOL e passa uma NEOSALDINA para você tomar antes do sexo. Se precisar, instila um “remedinho” para seu corrimento nasal, que sobrecarrega seu coração.

Quando tudo parecia solucionado, aos 40 anos, você percebe que seus dentes estão apodrecendo e caindo. (entre nós, é o antidepressivo). Tome grana pra gastar com o dentista. Nessa mesma época, outra constatação: sua memória está falhando bem mais que o habitual. Mais uma vez, para seu doutor, isso não é problema: GINKGO BILOBA é prescrito.

Nos exames de rotina, sua glicose está em 110 e seu colesterol em 220. Nas costas da folha de receituário, o doutor prescreve METFORMINA + SINVASTATINA. “É para evitar Diabetes e Infarto”, diz o cuidador de sua saúde(?!).

Aos 40 e poucos anos, você já toma: FLUOXETINA, CLONAZEPAM, LOSARTANA, ATENOLOL, POLIVITAMÍNICO de A a Z, OMEPRAZOL, DOMPERIDONA, LAXANTE “NATURAL”, SILDENAFIL, VARDENAFIL, LODENAFIL ou TADALAFIL, NEOSALDINA (ou “Neusa”, como chamam), GINKGO BILOBA, METFORMINA e SINVASTATINA (convenhamos, isso está muito longe de ser saudável!). Mil reais por mês! E sem saúde!!!

Entretanto, você ainda continua deprimido, cansado e engordando. O doutor, de novo. Troca a Fluoxetina por DULOXETINA, um antidepressivo “mais moderno”. Após dois meses você se sente melhor (ou um pouco “menos ruim”). Porém, outro contratempo surge: o novo antidepressivo o faz urinar demoradamente e com jato fraco. Passa a ser necessário levantar duas vezes à noite para mijar. Lá se foi seu sono, seu descanso extremamente necessário para sua saúde. Mas isso é fácil para seu doutor: ele prescreve TANSULOSINA, para ajudar na micção, o ato de urinar. Você melhora, realmente, contudo... não ejacula mais. Não sai nada!

Vou parar por aqui. É deprimente. Isso não é medicina. Isso não é saúde.

Essa história termina com uma situação cada vez mais comum: a DERROCADA EM BLOCO da sua saúde. Você está obeso, sem disposição, com sofrível ereção e memória e concentração deficientes. Diabético, hipertenso e com suspeita de câncer. Dentes: nem vou falar. O peso elevado arrebentou seu joelho (um doutor cogitou até colocar uma prótese). Surge na sua cabeça a ideia maluca de procurar um CIRURGIÃO BARIÁTRICO, para “reduzir seu estômago” e um PSICOTERAPEUTA para cuidar de seu juízo destrambelhado é aconselhado.

Sem grana, triste, ansioso, deprimido, pensando em dar fim à sua minguada vida e... DOENTE, muito doente! Apesar dos “remédios” (ou por causa deles!!).

A indústria farmacêutica? “Vai bem, obrigado!”, mais ainda com sua valiosa contribuição por anos ou décadas. E o seu doutor? “Bem, obrigado!”, graças à sua doença (ou à doença plantada passo-a-passo em sua vida).

Fonte:  Dr. Carlos Bayma.

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Psicólogos explicam como se manter calmo durante um conflito:




“Conflitos causam estragos em nossos cérebros. Nós somos preparados pela evolução para nos proteger sempre que sentimos uma ameaça. Em nosso mundo, não lutamos como um texugo com um coiote, nem fugimos como um coelho de uma raposa. Mas nosso impulso básico para nos proteger é automático e inconsciente.”- Diane Musho-Hamilton.

A inteligência emocional (“I.E”) é definida como “a capacidade de identificar e gerenciar suas próprias emoções e as emoções dos outros”. Uma baixa I.E geralmente leva a uma incapacidade de manter a calma, resultando em mais conflito, enquanto que uma alta I.E leva a menos conflito e a capacidade de manter a calma sob pressão.

O conflito é uma parte inevitável da vida. Mesmo a pessoa mais legal, calma e coletiva experimenta algum grau de turbulência interpessoal, em algum momento. Na maioria dos casos, as pessoas não têm controle sobre o que acontece a seguir.

O único aspecto de um conflito que podemos controlar é como reagimos. Porém, isso não quer dizer que reverter esse processo “automático e inconsciente” é fácil, pois não é.

Mas podemos aprender a identificar, reconhecer e gerenciar nossas emoções negativas. Podemos substituir, até certo ponto, essa resposta fisiológica inata.


Podemos aprender a manter a calma durante qualquer conflito, inclusive no meio de uma discussão.

Abaixo estão 6 maneiras de fazermos isso:

1. Tomar respirações profundas

Porque: A capacidade de permanecer relaxado e centrado durante um conflito depende da sua capacidade de acalmar o corpo. A respiração superficial é a resposta inata do corpo quando confrontado com o estresse. Anular esta resposta natural e praticar mindfulness ajuda o corpo a permanecer calmo.

Como: Inalar profundamente pelo nariz antes de expirar lentamente pela boca. As respirações lisas e profundas cessam a produção de dois hormônios do estresse – adrenalina e cortisol.

2. Concentrar-se em seu corpo

Porque: Concentrar-se em quaisquer sensações físicas que surgem em um conflito permite que você as altere mentalmente. Quando seu foco muda para o corpo, você pode sentir a tensão, a respiração superficial, e outros efeitos que acompanham o estresse.

Como: Quando você percebe que seu corpo começa a ficar tenso, retorne sua postura para um estado neutro, relaxando seus ombros e mãos. Essa posição aberta comunica positividade usando linguagem corporal – e muitas vezes dissolve conflitos.

3. Escute ativamente

Porque: Uma pessoa iniciará uma briga, ou algum outro tipo de conflito, se sentir que não está sendo ouvida. Além disso, é impossível dissolver um conflito sem uma escuta atenta e ativa.

Como: Quando alguém estiver falando, concentre toda sua atenção no que a pessoa diz. Ignore quaisquer pensamentos de construir uma resposta. Uma vez que a pessoa terminar de falar, você terá as informações necessárias para responder de forma inteligente.

4. Faça perguntas abertas

Porque: As perguntas abertas são inestimáveis ​​na resolução de conflitos. Primeiro, elas demonstram que você está ouvindo atentamente. Em segundo lugar, esse tipo de pergunta mostra respeito pela pessoa, permitindo que ela articule seus pensamentos.

Como: Aprender a fazer perguntas abertas pode ser um pouco complicado para algumas pessoas. A maneira mais fácil de evitar perguntas fechadas é não usar as palavras “Não faz”, “Fez” e “Não fez” ao fazer uma pergunta. Em vez disso, use as palavras “O que”, “Por que”, “Quando” e “Como”.

5. Mantenha sua voz calma

Porque: A maneira mais fácil de esquentar o conflito é aumentar sua voz. Por outro lado, uma das maneiras mais fáceis de difundir o conflito é diminuir sua voz. O nível de voz também está ligado à pressão arterial. Quando ela atinge um certo ponto, torna-se mais difícil entender o que está sendo comunicado.

Como: O primeiro passo é dissolver a raiva inicial da outra pessoa. Você não pode fazer isso aumentando sua voz. Por outro lado pode rapidamente transmitir uma sensação de calma ao tomar a decisão consciente de falar mais baixo.

6. Concorde em não concordar

Porque: Nem todos os conflitos produzirão resultados amigáveis ​​ou mutuamente aceitáveis. No entanto, você pode evitar o aprofundamento do conflito, desconectando-se educadamente da conversa.

Como: Uma lei do conflito interpessoal é que é preciso dois participantes. Afastar-se de um conflito é apropriado sob uma das duas circunstâncias: (1) A pessoa se torna cada vez mais hostil, ou (2) A conversa, apesar de seus melhores esforços, não vai a lugar algum.

Ao seguir uma ou mais dessas seis dicas, você, certamente, sentir-se-á mais confiante em qualquer conflito. Como resultado, usará suas emoções e autocontrole em seu benefício!
____

Traduzido pela equipe de O Segredo – Fonte: Power of Positivity.

Referências do texto: Notey– HBR.ORG– Pinterest – Psichology Today.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Isometria: fazer exercícios “parado” é altamente eficaz para definir o corpo.

© Fornecido por Batanga Media Difusão pela Internet LTDA exercicio iosometria prancha 216 400x800


Musculação, exercícios aeróbicos, cardio, HIIT, enfim, são várias as especificações atribuídas a atividades físicas diferentes que podem acabar confundindo quem começa a encarar uma rotina na academia. Conhecer bem para que serve cada tipo é essencial para evitar ciladas e garantir melhores resultados. Você sabe, por exemplo, o que é exercício isométrico?

Exercício isométrico: o que é e quais são os benefícios


Também chamados de exercícios de força estática, os exercícios isométricos, ao contrário dos dinâmicos, ou seja, aqueles em que ocorre o deslocamento do corpo em determinado espaço, envolvem atividades musculares em que nenhum movimento nas articulações é visível. São, portanto, exercícios que a pessoa faz “parada”, mas que podem ser ótimos para definição do corpo.

Um dos exemplos mais conhecidos deste tipo de exercício é a prancha, em que o praticante precisa ficar estático, contraindo os músculos do abdômen e também glúteos, braços e costas, para manter a estabilidade e força. É possível realizar a isometria com outros exercícios também, como o agachamento - mantendo-se na posição agachada ao invés de fazer o movimento de descida e subida -, bem como com exercícios feitos com halteres - segurando os pesos em determinada altura ao invés de realizar o movimento completo.

© Fornecido por Batanga Media Difusão pela Internet LTDA exercicio iosometria agachamento 216 400x800



Exercícios de isometria podem ser feitos isolados ou em combinação entre outras atividades dinâmicas, visando um maior fortalecimento da musculatura. O método consiste em usar determinado grupo muscular contra uma superfície ou objeto imóveis ou na manutenção do corpo em uma única posição, fixa, por um tempo determinado. A prática proporcionaria treinos mais exigentes e com resultados altamente eficazes para definir.


Entre outros benefícios do exercício isométrico estão sua capacidade de reduzir a sobrecarga nas articulações, desenvolver maior resistência dos ligamentos, aumentar a flexibilidade, melhorar a coordenação e o equilíbrio, além de permitir treinos para quem sofre de lesões ou está em processo de recuperação de algum ferimento.


É importante saber, no entanto, que exercícios de isometria não são indicados para sedentários, idosos, fumantes ou hipertensos, já que aumentam a pressão sanguínea. Antes de realizar qualquer tipo de atividade física, por mais simples que possa parecer, é imprescindível realizar uma consulta com um profissional da saúde e receber orientações de instrutores físicos.



Fonte: http://www.msn.com/pt-br/saude/fitness/isometria-fazer-exerc%C3%ADcios-%E2%80%9Cparado%E2%80%9D-%C3%A9-altamente-eficaz-para-definir-o-corpo/ar-BBxq8fr?li=AAggXC1&ocid=mailsignout


quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Sabe o que acontece ao seu corpo quando come bananas muito maduras? Nem imagina!


A banana madura ajuda-nos a aumentar o número de leucócitos e a reforçar o sistema imunológico. Além disso, melhora a saúde cardiovascular e favorece a absorção de cálcio. A banana é uma fruta muito deliciosa que deveria ser incluída, de forma mais frequente, na nossa dieta, não apenas pelo seu agradável sabor, mas também porque está comprovado que contém nutrientes muito importantes que ajudam a melhorar a saúde do organismo.

Graças a uma pesquisa recente podemos conhecer outros benefícios das bananas, e mais especificamente, das que estão bem maduras. As bananas contêm o Fator de Necrose Tumoral Na medida em que as bananas vão amadurecendo, vão desenvolvendo uma série de manchas escuras e preta que invadem quase toda a casca. Alguns preferem evitar as bananas neste estado, já que são mais doces e sua textura pode parecer não tão agradável. 

O que poucos sabem é que quanto mais manchas escuras tenha a banana, mais benefícios ela trará ao organismo e, em especial, ao sistema imunológico. Numa pesquisa japonesa recente, descobriu-se que as bananas maduras contém uma citosina chamada Fator de Necrose Tumoral (FNT), que é liberada por algumas células do sistema imunológico, e que tem efeito sobre outras células do corpo. 

Esta é a que fornece as propriedades que nos ajudam a combater o cancro. Seu efeito é tão poderoso que pode ajudar lutar contra as células tumorais anormais que estão presentes no nosso corpo. A função da citosina é comparada com a do lentinano, que é um imuno-estimulante químico que se aplica por via intravenosa e atua como um agente anti-cancerígeno. O efeito aumenta com a sua maturidade, ou seja, quanto mais madura seja a fruta, maior será seu efeito anti-cancerígeno. 

À medida que as frutas amadurecem, vão acontecendo mudanças em relação ao seu valor nutricional, aumentando ou diminuindo duas propriedades. No caso das bananas, comprovou-se que quanto mais madura elas forem maior o nível de antioxidantes que se concentram. Além disso, quando ela já tiver muitas manchas escuras, o conteúdo de amido muda para açúcares simples, que são mais fáceis para digerir. 

Em um estudo feito por cientistas japoneses, foram realizadas provas associadas com o consumo de diferentes frutas maduras: a banana, a uva, a maçã, o abacaxi, a melancia e o caqui. Ao final da investigação, concluiu-se que a banana madura é mais benéfica que as outras frutas, já que tem a capacidade de aumentar o número de células brancas no sangue e reforçar o sistema imunológico. Para aproveitar este importante benefício da banana, recomenda-se comer uma ou duas ao dia.

Aumenta as defesas e nos afasta das doenças Os cientistas consideram que quanto mais madura a banana for, maior concentração de Fator de Necrose Tumoral terá. Acredita-se que o número de defesas e de células brancas pode aumentar em até 8 vezes, em comparação com as bananas que são verdes ou que estão frescas. Que outros benefícios trazem as bananas maduras? 

O fato de terem compostos anti-cancerígenos deveria ser uma razão mais que suficiente para incluí-las com mais frequência na nossa dieta. Não obstante, para que não fique com dúvidas, apresentamos outros importantes benefícios que são conseguidos ao comer bananas maduras. Boa saúde digestiva.

Uma banana média contém até 3 gramas de fibra, que contribui para o bom funcionamento intestinal e facilita a circulação dos alimentos no trato digestivo. Supõe-se que é uma fonte natural de electrólitos, que, de um modo geral, são perdidos quando sofremos com diarreias. Também contém compostos prebióticos, como os fruto-oligossacarídeos, que ajudam a conservar as bactérias boas presentes no organismo. Melhora a saúde cardiovascular.

Por serem ricas em potássio, as bananas maduras diminuem as concentrações de sódio, que podem causar retenção de líquidos e afetar a saúde do coração. Em uma análise de 11 estudos publicados na revista “Journal of the American College of Cardiology”,determinou-se que as pessoas que introduzem alimentos ricos em potássio à dieta, poderiam reduzir os riscos de padecerem de acidentes cerebrovasculares e doenças coronárias. Saúde dos ossos.

Uma pesquisa realizada pelo Centro de Informação de Micronutrientes do Instituto Linus Pauling de Óregon (Estados Unidos) revelou que uma dieta rica em potássio diminui o risco de uma pessoa sofrer com osteoporose. As bananas maduras são fontes de potássio e, como se fosse pouco, os fruto oligossacarídeos contribuem no aumento da absorção de cálcio, o que poderia, ao mesmo tempo, fortalecer os ossos.

Fonte: http://www.dicascaseiras.org/

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Zika vírus: 10 coisas que você precisa saber sobre a doença



1. A OMS declarou que o zika vírus é agora uma emergência mundial de saúde. O vírus, transmitido pelo mesmo mosquito da dengue, aparece associado a uma recente epidemia de microcefalia em recém-nascidos, especialmente na região Nordeste do Brasil.

O surto é tão grave que o governo brasileiro adotou uma política pública de distribuição de repelentes para conter o avanço da doença. Previsão de organismos internacionais de saúde afirmam que a doença estará presente em todos os países da América Latina nos próximos anos e o conselho é evitar planos de engravidar pelo menos até 2018 nas regiões mais afetadas. Veja a seguir alguns fatos sobre a doença:

2. Transmitido pelo mosquito Aedes Aegypti, cujas larvas podem ser vistas nesta amostra, o vírus zika tem o mesmo agente transmissor da dengue e da chikungunya.

3. Em adultos, os sintomas incluem dores de cabeça, coceira, febre e conjuntivite.

4. Segundo a organização panamericana de saúde, de dezembro de 2015 a janeiro de 2016 dobrou o número de países que registraram casos de zika. O Brasil teve os primeiros registros, seguido por Barbados, Colômbia, Equador, El Salvador, Guiana Francesa, Guatemala, Guiana, Haiti, Honduras, Martinica, México, Panamá, Paraguai, Porto Rico, Saint Martin, Suriname e Venezuela.

5. A melhor forma de evitar o contágio é matar o mosquito, para que ele não entre em contato com os humanos e transmita a doença pela picada.

6. Uma vez que o mosquito sobreviva, é preciso evitar o contato com ele, seja por meio de repelentes ou mosquiteiros, por exemplo.

7. Água parada é o ambiente ideal de criadouro para o mosquito. Reservatórios, terrenos baldios, pneus e garrafas abandonados são alguns dos principais focos do combate ao Aedes.

8. Atualmente não há vacina nem tratamento específico para a doença, mas diversos estudos estão em andamento. Recentemente, a Anvisa aprovou o registro da primeira vacina contra a dengue no Brasil.

9. A primeira vez que o vírus apareceu em humanos foi no ano de 1952, em Uganda e na Tanzânia. Desde então, surtos foram registrados em todos os continentes do mundo.

10. Em adultos, os sintomas surgem entre 2 e 7 dias depois do contato com o vírus.

Um alerta da Organização Panamericana da Saúde indica que não há, num futuro próximo, indícios de que o zika vírus será erradicado. A prevenção e erradicação do mosquito é, atualmente, a única arma na luta contra a doença.

Fonte: http://www.msn.com/